segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

AMPV reuniu em Palmela para apresentar atividades a desenvolver em 2018


No dia 10 de janeiro, a Casa Mãe da Rota de Vinhos acolheu uma reunião descentralizada da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV) com os municípios da Península de Setúbal, promovida pelo Município de Palmela, enquanto membro da direção.
Dar a conhecer os principais projetos do plano de atividades da AMPV para este ano e articular ações em parceria, de caráter nacional e internacional, tendentes à valorização dos produtos locais – nomeadamente, o vinho – e à promoção dos territórios foram os principais objetivos da reunião. Foram abordados projetos como a edição 2018 das “7 Maravilhas da Mesa de Portugal” (que contemplará, também, os produtos das diferentes regiões vitivinícolas), o projeto “Wine in Moderation”, o concurso internacional de vinhos “La Selezione del Sindaco” ou a Rede das Aldeias Vinhateiras. Foi, ainda, referida a importância para a promoção dos territórios vinhateiros portugueses, da distinção de Cidade Europeia do Vinho 2018, conquistada numa parceria entre Torres Vedras e Alenquer.
Estiveram presentes, além do Presidente do Município, Álvaro Amaro, e do Vereador do Turismo, Luís Miguel Calha, o Secretário Geral da AMPV, José Arruda, o Presidente da Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal, Henrique Soares, bem como representantes da Associação para o Desenvolvimento Regional da Península de Setúbal e do Município de Grândola.

“Vanessa vai à Luta!”: igualdade de género em peça teatral no Pinhal Novo



A comédia teatral “Vanessa vai à Luta”, de Luísa Costa Gomes, sobe ao palco do Auditório Municipal Pinhal Novo, nos dias 20, às 21h30, e 21 de janeiro, às 16h30. O espetáculo, apresentado pelo Ensaiarte, baseado na obra da dramaturga Luísa Costa Gomes, explora questões pertinentes da formatação familiar e social de indivíduos, reduzidos aos papéis tradicionais de homens e mulheres, com os rapazes entre pistolas e carros e as meninas condenadas às bonecas e tachinhos.
Com dramaturgia e encenação de Célia Figueira, a comédia, classificada para maiores de 6 anos e organizada com o apoio da Câmara Municipal de Palmela, conta com as participações de José Galvão, Beatriz Pedro, Daniel Ribeiro, Carla Pereira, Nelson Prates e Ana Lagarto.
Para reservas, devem ser contactados os telefones 966 564 933, 915 343 493 ou 212 336 638.

A Companhia das Miúdas Perfeitas vai ao Cine-teatro S. João


A comédia “Companhia das Miúdas Perfeitas”, com texto de Maria Barbosa e encenação de Bárbara Vicente, sobe ao palco do Cine-teatro S. João, em Palmela, no dia 20 de janeiro, às 18h00.
A produção do Teatro da Vila satiriza a vida de três amigas, com idades compreendidas entre os 30 e os 40 anos, que são cúmplices numa companhia de dança secreta. «À parte das suas vidas de profissionais ativas, mães e mulheres de família, recusam-se a deixar morrer o seu lado mais irreverente», refere o Teatro da Vila.
A “Companhia das Miúdas Perfeitas” conta, no elenco, com Bárbara Vicente, Margarida Proença, Margarida Sousa, Maria Barbosa, Nádia Raposo, Sofia Beatriz Azevedo e participação especial de Matilde Costa.
A peça de teatro, organizada pela Associação Teatro da Vila com o apoio da Câmara Municipal de Palmela, para maiores de 16 anos, tem música de João Miguel Barbosa e cenografia de Leonor Faria.
As reservas podem ser feitas através da Divisão de Cultura da autarquia, com o telefone 212 336 630 e o endereço cultura@cm-palmela.pt, ou na bilheteira do Cine-teatro S. João, a funcionar todos os dias úteis entre as 09h00 e as 12h00 e as 13h30 e as 16h00.

Município de Palmela promove-se em Madrid


A Câmara Municipal de Palmela, através da Rota de Vinhos da Península de Setúbal, volta a estar presente na FITUR, Feira Internacional de Turismo, que decorre em Madrid, Espanha, entre 17 e 21 de janeiro.
Esta presença na 38.ª edição do certame acontece a convite do Turismo de Portugal e decorre nos dias destinados a profissionais, nos quais serão realizadas provas de vinhos da Península de Setúbal, com destaque para os Moscatéis de Setúbal, que estão a comemorar os seus 110 Anos de Região Demarcada.
Estabelecer contatos diretos com operadores e agentes turísticos nacionais e internacionais e dar a conhecer os nossos produtos, calendário de iniciativas e oferta turística são os principais objetivos da participação naquela que é, já, uma das maiores Feiras de Turismo do mundo.

Fins de Semana Gastronómicos da Fogaça passaram pela RTP

A reportagem aqui:

https://www.rtp.pt/play/p4224/e325578/portugal-em-direto/630114  (16:15)

https://www.rtp.pt/play/p4224/e325578/portugal-em-direto/630122  (14:06)

Interrupção do abastecimento de água em Pinhal Novo


A Câmara Municipal de Palmela informa que a rede de distribuição de água em Pinhal Novo vai ser reabilitada nos dias 15, 16 e 17 de janeiro, numa intervenção  destinada a qualificar a rede de abastecimento e a melhorar a qualidade do serviço prestado à população.
Os trabalhos integram a remodelação dos nós de ligação da rede de água na zona compreendida entre as ruas  Vasco da Gama, 25 de Abril, Infante D. Henrique e Gago Coutinho e Sacadura Cabral. Esta intervenção implica uma interrupção no abastecimento,  entre as 9h00 e as 18h00.
A autarquia agradece, desde já, a compreensão das/os munícipes e lamenta os incómodos causados.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Moção condena detenção de Ahed Tamimi e exige a sua libertação e a de todos os menores palestinos


A Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, na reunião pública de 10 de janeiro, uma Moção que defende a liberdade da jovem ativista palestina Ahed Tamimi, detida em dezembro e manifesta a solidariedade do Município para com todos os menores palestinos presos.
Segue, abaixo, o texto integral da moção:

«Ahed Tamimi, de 16 anos, conhecida ativista palestina contra a ocupação, foi detida na madrugada do dia 19 de dezembro por militares e polícias de fronteira de Israel que assaltaram a sua casa, na aldeia de Nabi Saleh, na Margem Ocidental ocupada.
O pretexto da sua detenção é um vídeo em que se vê Ahed, com a sua a prima Nur, enfrentando com pontapés e bofetadas soldados israelitas armados, que levou o ministro da Educação de Israel, Naftali Bennett, a defender que as jovens «deveriam acabar os seus dias na prisão».  
O vídeo foi divulgado em Israel numa versão editada. Na versão integral, vê-se que Ahed começou por empurrar os soldados e, só depois de esbofeteada por um deles, respondeu com bofetadas e pontapés.
No mesmo dia, a mãe de Ahed, Nariman, foi presa quando ia visitar a filha à esquadra. Também a prima Nur acabou por ser detida no dia seguinte.
As suas detenções têm sido sucessivamente prorrogadas por um tribunal militar, permanecendo as três encarceradas.
O acto das jovens da família Tamimi não foi gratuito. Pouco antes da cena registada no vídeo, no dia 15 de Dezembro, um familiar, Mohammed Tamimi, de 15 anos, tinha sido atingido na cabeça por uma bala de borracha, disparada por um soldado israelita, tendo sido levado para o hospital em perigo de vida.
As duas jovens procuravam impedir que os soldados invadissem o pátio da sua casa para atacar outros jovens da aldeia que protestavam contra a recente decisão do presidente dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.
Ahed Tamimi é uma jovem cuja vida está profundamente ligada à resistência contra a colonização israelita.
Da sua aldeia, Nabi Saleh, foram roubados dezenas de hectares de terras e uma nascente de água em proveito do vizinho colonato israelita de Halamish. Desde então, os protestos pacíficos dos habitantes da aldeia são reprimidos e já se registaram três mortos e centenas de feridos, mais de metade da população daquela.
Ahed Tamimi acompanha, desde os 9 anos, esses protestos, em que o seu pai, Bassem, desempenhou um papel destacado. Aos 13 anos, Ahed tornou-se conhecida por uma série de fotos em que, juntamente com a mãe e tia, tentava desesperadamente salvar o seu irmão ferido, Mohammad, então com 11 anos, de ser preso pelas forças israelitas.
A vida de Ahed Tamimi é também um testemunho vivo da violência da repressão israelita. Aos 12 anos, um primo de sua mãe, Mustafa Tamimi, foi morto diante dos seus olhos por um disparo de uma granada de gás. Um ano depois, viu o seu tio Rashadi ser morto a tiro pelo exército israelita. E a 15 de Dezembro viu Mohammed, quase da sua idade, atingido na cara por uma bala revestida de borracha que lhe penetrou no crânio.
O seu pai, Bassem, foi preso pelas autoridades israelitas mais de uma dezena de vezes, tendo passado mais de três anos em detenção administrativa, sem julgamento nem culpa formada; foi reconhecido pela União Europeia como “defensor dos direitos humanos” e designado prisioneiro de consciência pela Amnistia Internacional. A mãe, Nariman, enfrenta a sua sexta detenção. A sua casa já foi assaltada pelas forças israelitas mais de uma centena e meia de vezes.
« Além de ver sucessivamente prolongada a sua detenção, Ahed tem sido transferida entre várias prisões de Israel, em violação do  direito  internacional,  que  proíbe a  transferência  de  palestinos  do  território ocupado  para  o território israelita.
Mas Ahed Tamimi junta-se aos mais de 300 menores palestinos atualmente presos em prisões de Israel. Segundo o Addameer, grupo de defesa dos presos palestinos, mais de 12 mil menores palestinos foram  detidos, desde 2000,  e cerca de 700 menores  palestinos  da Margem  Ocidental  ocupada  são  processados todos os anos por tribunais militares e detidos e interrogados pelo exército israelita.
A maioria dos menores são submetidos a maus tratos durante os interrogatórios para lhes extrair confissões forçadas, sendo  muitas  vezes  obrigados  a  assinar  documentos  escritos  em  hebraico, cuja língua não compreendem.  Alguns dos  jovens  palestinos  presos,  durante  os  protestos  das  últimas  semanas  e libertados recentemente, como Fawzi al-Juneidi, de 16 anos  –  cuja fotografia, vendado e rodeado por mais de vinte soldados, correu mundo –  apresentam sinais evidentes de tortura e maus tratos.
A organização Defence for Children International - Palestine  denunciou  que,  só  em  2017,  onze  menores  estiveram  sujeitos  a  prisão solitária e que em 520  casos  de  crianças  palestinas detidas, entre 2012  e 2016,  72% enfrentaram violência física e 66% foram vítimas de insultos e humilhações.
Bem conhecida pela sua  coragem  na  resistência  à  ocupação,  Ahed  Tamimi  é  desde  há  muito  alvo  de insultos e ameaças e, por isso, corre na prisão riscos contra a sua integridade física e psicológica. Na sequência da sua prisão, um destacado jornalista de Israel, Ben Caspit, chegou mesmo a defender que as raparigas palestinas presas deveriam ser sujeitas a alguma forma de punição violenta, «no escuro, sem testemunhas nem câmaras».
Reunida em sessão pública, a 10 de janeiro de 2018, a Câmara Municipal de Palmela delibera:
- Condenar a repressão e violência de Israel, em particular sobre os jovens e as crianças dos territórios ocupados da Palestina;
- Manifestar a sua solidariedade com Ahed Tamimi e todos jovens e crianças presos por Israel e exigir a sua libertação imediata;
- Dar conhecimento da presente moção às seguintes entidades:
Missão Permanente de Portugal junto das Nações Unidas
Presidente da República
Primeiro-Ministro
Ministro dos Negócios Estrangeiros
Grupos Parlamentares da Assembleia da República
Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina
Presidente da Assembleia Municipal de Palmela
Presidentes das Juntas e União de Freguesias do Concelho
Embaixada de Israel
Missão Diplomática da Palestina
Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente
Comunicação Social».

Adjudicada empreitada de infraestruturação da Rua da Holanda


O Município de Palmela adjudicou a empreitada de infraestruturação da Rua da Holanda, em Vale de Touros, Lagoinha, na freguesia de Palmela.
A empreitada, que terá uma duração de 90 dias, foi adjudicada por cerca de 85 mil euros e integra instalação de redes de esgotos domésticos e pluviais, remodelação da rede de abastecimento de água e respetivos ramais, bem como a pavimentação da via.
Esta obra faz parte do programa de infraestruturação da Lagoinha, segunda fase, cujo projeto de execução foi agora aprovado, para implementação faseada.

Município associa-se a campanha nacional de sensibilização para a poupança da água


O Município de Palmela associa-se à Campanha Nacional em curso “Um minuto por dia, vamos fechar a torneira à seca”, que tem como objetivo a promoção da alteração de hábitos que contribuam para a redução do consumo de água junto da população, na sequência da seca severa que o nosso território atravessa.
Com o lema “Pequenas mudanças, grandes poupanças”, é uma iniciativa conjunta do Governo, Águas de Portugal, Agência Portuguesa do Ambiente e Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) que disponibiliza um conjunto de informação relativa a esta temática, nomeadamente, dicas sobre o uso eficiente da água, dirigidas às famílias, crianças, câmaras municipais, indústria e agricultura.

Mais informações em http://fecheatorneira.pt/.

Marateca inicia ciclo de Semanas das Freguesias 2018


O ciclo de Semanas das Freguesias 2018 tem o seu ponto de partida em Marateca, com cinco dias de trabalho descentralizado, entre 15 e 19 de janeiro – uma oportunidade privilegiada de contacto entre o Município e o novo Executivo da Freguesia, neste início de mandato, bem como com as populações, o movimento associativo, a comunidade educativa, o tecido económico e demais agentes locais deste território rural.
Como habitualmente, o programa inclui várias reuniões, de caráter interno e público, visitas a obras, empresas e  projetos locais. Num momento em que está em curso um importante conjunto de intervenções em estabelecimentos de ensino, em todo o concelho, o parque escolar estará, também, em destaque ao longo destas semanas.
A reunião pública quinzenal decorre no dia 17, quarta-feira, às 21 horas, no Grupo Desportivo e Recreativo “Leões de Cajados”, com o período destinado à participação do público a abrir a sessão. O Executivo Municipal com pelouros atribuídos realiza atendimento descentralizado, durante a manhã de dia 19, sexta-feira, no Centro Comunitário de Águas de Moura e nas instalações da União de Freguesias, mediante marcação prévia até às 12 horas de dia 18, através do telefone 212 336 650.